domingo, 22 de março de 2009

O espelho

16/03/2009

Não sei ainda qual a minha tarefa neste mundo. Escrever, talvez. Porque esta é uma das minhas maiores tendências. As palavras, para mim, sempre funcionaram como um espelho. Escrever era uma forma de me enxergar. Mas, a certa altura da minha vida, decidi fugir e tentar me autodescobrir de outra forma, adormecendo a poesia e despertando para um lado mais prático de me expressar. Embora nesta praticidade eu não tivesse além de mera espectadora, reportando fatos externos a mim.
É que à poesia eu me subjugava, como se mergulhasse numa caixa preta para lá descobrir meus sentimentos... Não tinha como escapar. Bastava um papel e uma caneta e pronto: iniciava-se a minha viagem para o mundo interior. Um mundo sensível, mas, ao mesmo tempo, avassalador... Cada palavra escrita era como uma peça de roupa a menos. Assim, ao final de cada verso, via-me nua por completo. Por isso o segredo, os papéis amarelados, o cofre, o esconderijo... Não estava preparada para exibir tal nudez. Pois no final era a mim mesma que não tinha coragem de mostrar-me nua. Mas hoje não. Não quero mais a covarde sensação diante do que para mim representa um espelho

Por Aline D’Eça

3 comentários:

  1. Andréia Guimarães25 de março de 2009 21:31

    Fiz uma visitinha à sua caixa de tesouros outra vez. Gostei muito desse texto. Tem um toque "clariciano". Muito bom!

    ResponderExcluir
  2. E viva a nudez!


    (...)

    Encantador o seu blog, Aline.
    Não deixe de alimentá-lo para nos alimentar.

    Vivi

    ResponderExcluir
  3. É um caminho sem volta. Olhar-se assim nua e crua. Sempre acho que depois no espelho dá um certo estranhamento..

    Muito bom o seu texto.

    http://humbertopassaro.blogspot.com/

    ResponderExcluir